“Não encontro motivação para nada…”

 Profº Luiz Marins

Numa discussão sobre “motivação” ele me disse: “Não encontro motivação para nada. Vivo totalmente desmotivado. O que fazer?”

Acredito que todos nós conheçamos pessoas desmotivadas que dizem mesmo não encontrar sequer motivos para continuar a trabalhar, estudar ou mesmo para viver. Qual conselho dar a essas pessoas?

Tirando a hipótese de problemas de saúde, que devem ser tratados por especialistas, tenho reparado que essas pessoas que se dizem desmotivadas são pessoas demasiadamente centradas em si mesmas. Elas só pensam em si. Vivem num quarto forrado de espelhos de onde só se veem e só conseguem enxergar seus próprios problemas, suas mazelas e sua desmotivação. São egocêntricas, isto é, o mundo gira em torno do seu ego. Assim, não conseguem enxergar outras pessoas. Não conseguem ver que há pessoas com muito mais problemas e em situação muito mais precária que elas. Esse quarto de espelhos em que vivem os fazem totalmente infelizes. Não compreendem que é preciso trocar espelhos por janelas – para também ver outras realidades -, para doar-se aos mais necessitados, enfim, enxergar o mundo por janelas e não por espelhos.

Tenho notado que muitas pessoas se dizem desmotivadas e infelizes por não participarem dos programas e projetos de seu trabalho e de suas comunidades, por não ajudarem o próximo, não fazerem alguma coisa que lhes dê um sentimento de missão e propósito, por que fechadas em seu quarto de espelhos, não podem mesmo encontrar motivos para agir e muito menos para serem felizes. A felicidade e a motivação verdadeira exigem uma certa dose de esquecimento de si próprio. Exige doação e comprometimento com causas fundamentadas em princípios e valores elevados.

E ainda há quem não acredite nisso e quem vive pensando em si mesmo. Para encontrar os verdadeiros motivos para viver é preciso trocar espelhos por janelas. Pense nisso. Sucesso!

Anthropos – Antropologia Empresarial
anthropos.com.br

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma resposta